Translate

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Somos aprendizes


Porque que quanto mais a gente vive, mais sabemos que não sabemos nada?
É estranho como a vida nos mostra cada vez mais os caminhos que  ela pode nos levar, nos fazer pensar (repensar) e nos deixar em cheque.
Porque será que por mais que vivamos sempre temos uma chance de olhar para traz e falar: “Bem que eu poderia ter feito desse jeito e não desse”, mas aí vêm os pensamentos já clássicos: “Mas se eu tivesse feito desse outro jeito eu não teria isso, esse, nem aquilo”, e aí vêm aquelas duvidas estranha novamente que só nos deixa com o coração extremamente apertado, nos deixa sem saber pensar direito, as duvidas em tudo, incerteza, a tristeza, vem tudo ao mesmo tempo como um tsunami de emoções que não são sempre agradáveis.
Muitas vezes devido as nossas próprias ineficiências em pensar e agir nem notamos o quanto somos importante para algumas pessoas e só tomamos consciência disso em alguns lapsos de segundos que depois se perdem na poeira do tempo.
Talvez isso aconteça porque somos falíveis ainda, não somos donos das decisões mais acertadas, somos aprendizes.

domingo, 29 de abril de 2012

Estranha tristeza



ontem a noite quando fui dormir,
durante o sonho meu coração chorou muito
um choro angustiante e triste
depois do sonho eu perguntei ao meu coração por que ele chorou tanto
ele respondeu, que chorou porque precisava chorar.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Escritos de um caderno velho


Escritos de antigos cadernos são marcas e recordações de épocas em que os momentos eram vividos intensamente. Coisas ruins e boas se intercalam poeticamente em cada pagina em cada folha.
Hoje observo o que escrevi a muitos anos atrás, hoje sou outro, mas algumas coisas continuam do mesmo jeito, é muito bom saber que vivi grandes momentos e aprendi grandes coisas, tive grandes decepções como também tive grandes alegrias é a vida mostrando sua cara em forma de manuscrito.
Recordar momentos não é viver do passado, é saber que eles existiram e foram vividos de uma forma intensa, é recordar amigos e amores, melancolias e dores de cotovelo é saber que apesar de tudo, tudo valeu a pena.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Sem reservas II


Sem reservas II

Quando você estiver triste
Lembre-se que em algum lugar tem um cara que você conhece
Quer faria qualquer coisa
Para te ver sorrir
Quando você estiver triste, pense em mim, pois estará pensando em alguém que te quer muito e que não mediria esforços para te ver sorrir.
Quando estiver triste, pense em alguém que te ama
E por não ter você, é mais triste ainda.

(Laerçon J. Santos 19/11/1985)

terça-feira, 24 de abril de 2012

Só culpo o abandono


Só culpo o abandono

Por favor, não me olhes
Com ares de desprezo
Se sou assim, só culpo o abandono
Só a garrafa, é minha companheira
Que contém o liquido
Que acaba minha vida.
Por favor, não me olhes,
Com ares de desprezo
Se sou assim, só culpo o abandono
Só a garrafa, é minha companheira
Que mata
Que destrói
Que acaba minha vida!
(Laerçon J. Santos 14.12.82)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Estranha tristeza

ontem a noite quando fui dormir,
durante o sonho meu coração chorou muito
um choro angustiante e triste
depois do sonho eu perguntei ao meu coração por que ele chorou tanto
ele respondeu, que chorou porque precisava chorar.

sábado, 21 de abril de 2012

Recordações


Recordações

Coisas que o tempo não  pode apagar
Recordações de outrora
Tempos em que a vida apresentava seus primeiros passos
Tempos em que os bancos escolares dividiam pares
O despertar de um desejo

Paixão escolar que o tempo não amordaça
Passam-se os anos e ela não morre

Amor, sorriso inocente soltos ao vento, Sonhos de verão
O olhar triste de uma incerteza do que vem.
Insegurança
A vida pulsando e mostrando seus segredos
Nós sem entendermos nada
O tempo passa como uma lamina afiada cortando tudo
Deixa um passado de recordações inacabadas
Algo que ficou desajustado
Perdido no tempo

Paixão escolar que o tempo não amordaça
Passam-se os anos e ela não morre

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Dois corações


Se o seu gostasse do meu
Seriamos dois felizes
O que faço para fazer
O seu gostar do meu?
O que faço para ver
O meu ao lado do seu?
Se o seu não quer o meu
O meu fica sem o seu
O meu não fica só
O seu também não fica
O seu sem o meu vive
O meu sem o seu morre
(Laerçon  J. Santos 07.01.86)

Muito


Muito

Para muitos nada significa
Para mim significa muito
O que para muitos não é raro
Para mim é coisa rara
Pelo fato de eu ser assim
Pelo fato de eu pensar assim
Meia luz... O clima ideal
Significou muito.
(Laerçon J. santos 19.12. 85)

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Anonimato das redes -




Uma coisa que eu não consigo entender ainda mesmo estando no mundo da internet a algum tempo é o que leva uma pessoa a invadir uma pagina de outra pessoa, apagar tudo destruir um trabalho e depois sumir no anonimato que a própria rede proporciona. Recentemente isso aconteceu com grandes amigas minhas que procuram passar um pouco do que sabem e pensam em seus blogs e rede sociais, só que muitas coisas que elas pensam não agradam a todo mundo e essas pessoas que não concordam ou não aceitam os escritos se acham no direito de que isso já seja o suficiente para invadirem a pagina roubarem tudo, apagarem trabalhos e deixar tudo arrasado, destruído acabando com trabalho que duraram horas e dias de dedicação.
O que um dia surgiu para ser uma ferramenta de liberdade de expressão passou agora a ser alvo de pessoas que não concordando com os argumentos nele inserido passe simplesmente a destruí-lo literalmente.
Eu sei muito bem do que estou dizendo por que fui vitima disso, acabaram com um blog meu que tinha mais de dois anos de postagens, desenhos, trabalhos tudo feito com a maior dedicação do mundo, aliás, tudo o que eu faço é assim, isso me deixou muito triste e sem vontade alguma de começar outro blog, mas insistente que sou comecei outro que por enquanto ainda não fui vitima.
A característica de pessoas sensatas que tem blogs, como dessas amigas que tiveram suas paginas descaracterizadas é simplesmente expor um trabalho que tanto lhe apraz, mas infelizmente o vírus humano que existe na rede continua fazendo os seus estragos e proporcionando tristeza e até certo desanimo nas pessoas que se propõe a fazer algo serio.  

Perguntas e respostas de Madre Tereza


Amor é a força que faz evoluir.

O dia mais belo? Hoje.
A coisa mais fácil? Errar.
O maior obstáculo? O medo.
O maior erro? Abandono.
A raiz de todos os males? O egoísmo.
A distração mais bela? O trabalho.
A pior derrota? O desanimo.
Melhores professores? As crianças.
A primeira necessidade? Comunicar-se.
O que mais lhe faz feliz? Ser útil aos demais.
O maior mistério? A morte.
O pior defeito? O mau humor.
A pessoa mais perigosa? A mentira.
O sentimento mais ruim? O rancor.
O presente mais belo? O perdão.
O mais imprescindível? O lar.
A rota mais fácil? O caminho certo.
A sensação mais agradável? A paz interior.
A proteção efetiva? O sorriso.
O melhor remédio? O otimismo.
A maior satisfação? O dever cumprido.
A força mais potente do mundo? A fé.
As pessoas mais necessárias? Os pais.
A mais bela de todas as coisas? O amor.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Falando de Amor


Falando de amor

Todo mundo pode falar de amor
O sentimento existe
Basta deixá-lo fluir
Palavras surgem
Modos de dizer são vários
A necessidade é primordial
A poesia é essencial

Todo mundo pode falar de amor
Todo mundo deve falar de amor
Um dia o mestre Jesus  disse:
"Amai-vos uns aos outros"
Eu estou fazendo minha parte
Amando você.

(Laerçon J. Santos)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

depois do temporal


Depois do temporal

Depois do temporal
A chuva virou garoa
A ventania virou brisa
O sol voltou a raiar
Depois do temporal

Depois do temporal
Tudo voltou ao normal
A natureza se acalmou
Não mais se esvaiu em águas
Nem mais se perdeu em ventos
Depois do temporal

Depois do temporal
O tempo raiava em sol
O povo saía às ruas
Para contemplar os estragos
As arvores mais fortes ficaram
As arvores mais fracas caíram
A ponte que era grande ficou
A ponte pequenina sumiu
Os mais fortes ficaram
O mais fraco se acabou
Depois do temporal
(Laerçon J. Santos 25.09.85)

O dia do Touro



Triste constatação dos dias atuais em que o ser humano com sua supremacia ainda brinca de vida e morte com animais, reflexos de uma raça que ainda requer muito tempo para evoluir moralmente 


O dia do touro

A multidão delirava
As moças desmaiavam de emoção
Os homens pasmavam
Eu apenas observava
O touro vinha... Touro furioso!
Mas o toureiro era valente
Olé! – delirava o povo
As moças suspiravam
Chapéus voavam
O touro era valente
O toureiro também
Eu apenas observava
O orgulho na face do toureiro
A fúria na cara do touro
Caçador e caçado
Eu apenas observava
Olé! – gritavam em coro
Aí em  segundos
Um castelo se desfaz
O touro foi mais rápido
Foi mais rápido outra vez
Cai o toureiro
Fica o touro
Sangue na arena
Pavor no público
O chifre do touro, vermelho de sangue
O corpo do toureiro, vermelho de morte
Foi o dia do caçado
Foi o dia do touro
Eu apenas observava
Olé!...
(Laerçon J. Santos 31.08.85)

domingo, 15 de abril de 2012

Quando tudo falha


Quando tudo falha

Quando um sonho se realiza
Se torna uma realidade feliz
Quando um sonho não se realiza
Se torna uma realidade triste e morta
Quando não se tem razão para viver
Tudo se torna neurose e mal estar
Tudo fica mais duro
Tudo torna-se mais difícil
Aí vem o cansaço físico e mental
E a vontade de viver vai embora
Tudo termina num mar de lama
(Laerçon J. Santos 19,11,85)

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Um poema by Cecilia Fidelli

Os sonhos sempre farão parte de nossa vida, serão sempre inspirações para os poetas de todas as épocas.Sonhar não é uma forma de fugir da realidade e sim de fazer com que o sonho e a realidade vivam lado a lado uma da outra, tão próximas que possamos ouvir das duas o pulsar dos corações.
abaixo segue um poema da minha amiga poetisa Cecília fidelli que retrata tão bem esse momento magico. 

As vezes não quero sonhar

As vezes não quero sonhar
Mas parece que em minha vida
essa opção passa longe...
As vezes me ponho a sonhar
Se isso fosse o pior,
mas não é.
Isso é sublime.
Nem sinto falta de nada
O que a vida tem a me oferecer
De real, realmente,
não me deixa legal.
As vezes penso que
me conheço de algum lugar.
De alguma região controlada,
sob hipnose que paralisa
e fornece a munição
para esse delírio.
E eu fico assim
com esse sorriso sem fim.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Essa doce ilusão



Essa doce ilusão

Já pensou se fosse verdade
Não ardesse em ilusão
Nem morresse em sonhos

Já pensou se fosse verdade
Seu sonho sonhado
Sua realidade dormida
Seu pesadelo sumido
Sua verdade assumida
Já pensou se fosse verdade
Se o sonho falasse
A mente gritasse
Saindo vivendo
Sonhando acordado
E vivendo dormindo, quase morrendo

Já pensou se fosse verdade
Essa doce ilusão de pensar, sonhar
Pensar, sonhar, pensar, sonhar...

(Laerçon J. Santos 16/09/1985)

terça-feira, 10 de abril de 2012

uma realidade triste


Sou um monte de coisas
Mas quando estou perto de você
Não sou nada
Falo várias coisas
Mas quando está comigo
Não consigo pronunciar nada
Por que isso?
Eu me embaraço
Me enrolo
Fico nervoso
Por que isso?
Tenho assunto para tudo
Mas quando estou com você
Não sei o que dizer
Tenho coragem para qualquer coisa
Mas quando você esta comigo
Eu sou um covarde
Fico como uma criança nervosa
Com medo de falar
Com medo de lutar
Com medo de tudo
Só consigo te olhar
Olhar sua boca
Seu rostinho
Seus olhos
Quando você vai
Penso em coisas que deveria ter dito
E, ansioso espero você voltar
E quando você volta
É a mesma coisa
Sou um monte de coisas
Mas perto de você...
Não sou nada.


(Laerçon J. Santos 09/09/1985)

terça-feira, 3 de abril de 2012

Libriano

Não sei se as pessoas da minha idade tem mais experiência na vida e passam por tudo melhor do que eu, ou é eu que não sei ainda controlar os deslizes e os baques que a vida da.
Apesar de me considerar um guerreiro dos tempos antigos estagiando em tempos modernos, em muitos momentos vejo-me em situações que não consigo resolver nem sei pra onde vai me levar. Na verdade deve ser porque eu ainda trago estampado na minha alma segredos que não consigo deletar dos meus arquivos mentais e a todo momento eles voltam a  incomodar, não consigo ainda me controlar em determinadas situações.
Certas indiferenças me incomodam e romantismo desde muito é coisa de um passado distante.
Ser um libriano é tudo de bom, mas em dado momento é complicado saber que os astros realmente influenciam muito em nosso ser.
Um livro, um café quente e uma musica romântica ao fundo, acho que é isso que ainda mereço.

(Laerçon blues man) 

domingo, 1 de abril de 2012

Sol (Longe)



Sol (Longe)

Impressões de um passando que não houve
Reflexos num presente conturbado
Perturbador e estranho
Nasce um desejo
Sussurros cibernéticos
Pulsações eletrônicas
Sonhos refletidos no espelho do tempo
Uma voz na alma que não cala
Um novo despertar
Olhos tristes
Lábios de mel
Sorriso cativante
Um sol na escuridão
Quando o amor existe
Não existe tempo pra sofrer

(Laerçon Blues Man)